5 − O uso do solo pelo ser humano

Além do armazenamento e da reciclagem de nutrientes para os seres vivos e do desempenho de funções relacionadas ao ciclo da água, o solo também tem grande importância para o ser humano por outros motivos. Neste Tema, você verá como se dá a utilização do solo com foco para as atividades de agricultura e produção de alimentos.
  • Você já pensou na quantidade e na variedade de frutas e verduras que está à disposição das pessoas para a compra e o consumo?
  • Mesmo que você nunca tenha morado no campo, talvez já tenha pensado sobre como se dá a produção de tudo isso e como vivem os produtores que moram nas áreas rurais.
  • Na sua percepção, como é a vida de quem trabalha no campo?
  • Que técnicas as pessoas que trabalham no campo utilizam para melhorar o solo e ajudar a aumentar a produção agrícola?
Além de servir de lar e alimento para plantas e animais, o solo apresenta uma série de outras funções para as pessoas. Nele, elas instalam construções, fazem plantações e criações de animais, encontram fontes de água e outras matérias-primas. Além disso, o solo serve também como depósito de resíduos, ou seja, de restos e sobras de comida, embalagens e objetos que já não têm utilidade para as pessoas.
Solo e agricultura
Há cerca de 10 mil anos, a humanidade começou a desenvolver novas formas de aproveitamento dos recursos naturais. Observando o ciclo de crescimento das plantas, aprendeu a aproveitar a fertilidade natural dos diversos solos para cultivar e colher alimentos. Além disso, aprendeu a criar e a domesticar animais. Essas conquistas permitiram que os seres humanos deixassem de ser coletores e caçadores para se fixar em algumas regiões nas quais poderiam desenvolver atividades agrícolas. A origem da agricultura marcou o começo de um longo processo de modificação da paisagem terrestre.
Houve crescimento das populações humanas e, com isso, a necessidade de ocupar maiores extensões de terra para o cultivo de plantas e a criação de animais. Isso obrigou as comunidades a desenvolver e a empregar novas técnicas, como a escavação de canais para irrigação (diques) e para a distribuição de água em terras secas, a invenção de enxadões de pedra com cabos de madeira e do arado para remexer a terra, entre outras.
Portanto, a agricultura não representou apenas uma mudança na maneira de sobreviver, mas transformou praticamente todos os aspectos da vida das pessoas. A agricultura promoveu maior especialização do trabalho, o desenvolvimento do conceito de propriedade e de comércio (troca), o acúmulo de informações e também o surgimento da escrita, em razão da necessidade de registro da movimentação comercial.
Ao longo dos séculos, a agricultura, contando cada vez mais com tecnologia, gerou, além de alimentos, uma vasta gama de produtos para consumo e troca: mercadorias (como flores e plantas ornamentais), fertilizantes orgânicos, fibras (algodão, linho, sisal, piaçava e cânhamo) e, mais recentemente, produtos químicos industriais (látex, perfumes, óleos, álcool etc.) e combustíveis (lenha, etanol, metanol, biodiesel, entre outros).
Com o objetivo de melhorar a produtividade agrícola, preservar, recuperar e melhorar o solo, muitas técnicas foram desenvolvidas ao longo do tempo. Para crescer, as plantas precisam essencialmente de luz, ar, água e nutrientes provenientes do solo. A fim de aprimorar a agricultura, o ser humano iniciou um processo de observação detalhada, elaboração e teste de hipóteses e aprendeu muito sobre o solo. Passou, então, a modificar a composição e a textura do solo, ampliando as possibilidades de sua utilização.
ORIENTAÇÃO DE ESTUDO
Lembre-se de que, para produzir um texto e compartilhar suas ideias, você deve planejá-lo primeiro. Um texto raramente ficará perfeito já na sua versão inicial e, por esse motivo, é bom fazer um rascunho.
Antes de começar o rascunho, liste algumas ideias que deseja desenvolver. Não se esqueça de que um bom texto apresenta logo na introdução, ou seja, no primeiro parágrafo, a ideia central, expondo ao leitor o assunto sobre o qual vai tratar.
Na sequência, você desenvolverá o assunto apresentando seu ponto de vista, os argumentos que poderão vir acompanhados de exemplos ou mesmo comparando informações.
Para finalizar ou concluir, é recomendável retomar a ideia central apresentada na introdução do texto e também os argumentos discutidos no seu desenvolvimento, reforçando seu ponto de vista, confirmando ou não a ideia central.
Lembre-se de que durante a produção do resumo você deve deixar que as ideias sejam colocadas espontaneamente no papel. Depois de pronto, retome a leitura e imagine que seu texto será publicado em uma revista e que, portanto, deverá passar por uma revisão. Para isso, leia-o atentamente, substitua uma palavra por outra, modifique, se achar necessário, as sequências dos parágrafos, corte frases e confirme se o que está escrito é mesmo o que você quis dizer.
Depois disso é só passar o texto a limpo!
Um mundo sem produção agrícola: Os processos de irrigação e a drenagem
Todos os seres vivos necessitam de água para sobreviver. Por isso, quando a quantidade de chuva não é suficiente, é necessário regar as plantas, fornecendo-lhes água. Quando esse processo é realizado em grande escala, recebe o nome de irrigação. Existem várias técnicas de irrigação. As mais utilizadas são:
  • alagamento, que desvia grande quantidade de água dos rios para a plantação, inundando o terreno cultivado. Essa técnica é muito usada, por exemplo, em plantações de arroz;
  • gotejamento, que fornece água diretamente à raiz da planta, deixando a folhagem seca e mais resistente aos fungos. Indicada para plantas cujas folhas mofam rapidamente, como tomate, uva e morango;
  • aspersão, que lança água sobre a plantação, molhando tanto o solo quanto as próprias plantas, como se estivesse chovendo. É recomendada para grandes áreas, como pastagem e plantações de cana-de-açúcar e café.
A drenagem é o movimento oposto à irrigação, ou seja, em caso de excesso de água, é preciso retirar o excedente para que as plantas não apodreçam.
 
Aração
Além de precisar de água, as plantas e os microrganismos precisam também de ar para sobreviver. Para melhorar a aeração do solo, é necessário revolvê-lo, o que pode ser feito com as mãos ou com a ajuda de equipamentos como ancinho, arado, tratores etc.
A aração é o processo de arar a terra, ou seja, descompactá-la para facilitar a penetração das raízes e expor o subsolo ao Sol, o que permite aquecê-lo. Também contribui para que os restos de plantas e de animais sejam enterrados, facilitando a ação dos decompositores e a produção de húmus. Além disso, auxilia na infiltração de água e de ar no solo.
 
Rotação de culturas
Cada espécie de planta utiliza determinados nutrientes do solo para seu desenvolvimento. Desse modo, quando se planta um mesmo tipo de vegetal por muito tempo no mesmo solo (o que se chama monocultura), esse solo rapidamente se esgota, deixando de ter os nutrientes necessários para o desenvolvimento da agricultura.
Para evitar esse problema, utiliza-se a rotação de culturas: a alternância de espécies vegetais em uma mesma área de plantio.
 
Adubação
A rotação de culturas minimiza, mas não resolve o esgotamento dos nutrientes do solo. Quando o solo se torna pobre em nutrientes, é necessário fornecê-los de forma artificial. Isso é feito por meio de adubação ou da fertilização.
 
PENSE SOBRE
Leia o texto a seguir.
A Floresta Amazônica brasileira permaneceu completamente intacta até o início da era “moderna” do desmatamento, com a inauguração da rodovia Transamazônica, em 1970.
Os índices de desmatamento na Amazônia vêm aumentando desde 1991 com o processo de desmatamento num ritmo variável, mas rápido. Embora a Floresta Amazônica seja desmatada por inúmeras razões, a criação de gado ainda é a causa predominante. As fazendas de médio e grande porte são responsáveis por cerca de 70% das atividades de desmatamento. O comércio da carne bovina é apenas uma das fontes de renda que faz que o desmatamento seja lucrativo. A degradação da floresta resulta do corte seletivo, dos incêndios (facilitados pelo corte seletivo) e dos efeitos da fragmentação e da formação de borda. A degradação contribui para a perda da floresta. Os impactos do desmatamento incluem a perda de biodiversidade, a redução da ciclagem da água (e da precipitação) e contribuições para o aquecimento global.
As estratégias para desacelerar o desmatamento incluem a repressão por meio de procedimentos de licenciamento, monitoramento e multas. O rigor das penalidades deve ser suficiente para impedir os desmatamentos ilegais, mas não tão grande que as impeça de ser executadas.
Uma reforma política também é necessária para discutir as causas primordiais do desmatamento, incluindo o papel do desmatamento no estabelecimento da posse da terra.
FEARNSIDE, Philip M. Desmatamento na Amazônia brasileira: história, índices e consequências. Megadiversidade, vol. 1, n. 1, jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2014.
 
Com base no texto que você leu, reflita sobre o desmatamento da Floresta Amazônica.
O texto apresenta inicialmente a ideia de que a Floresta Amazônica permaneceu completamente intacta até o início dos anos 1970. Você concorda com isso? Pense, agora, se os motivos que levaram ao desmatamento da Amazônia nos anos 1970 e na atualidade seriam os mesmos que levaram ao desmatamento de outras regiões do Brasil, como o da Mata Atlântica aqui em São Paulo.
Educando Mais! Todos os direitos reservados - © 2019 Educando Mais! 
  • Facebook
  • Canal Educando Mais!
  • Instagram
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • RSS ícone social
E-mail do Educando Mais!