1 A ORIGEM DA TERRA E DO SISTEMA SOLAR

Introdução
Nesta Unidade, você vai estudar a origem da Terra e do Sistema Solar. Com base nesse estudo, será possível compreender a formação dos oceanos, da atmosfera e da própria vida, além dos diferentes tipos de relevo terrestre e a existência de vulcões e terremotos.
 
TEMA 1 A origem do Universo e do Sistema Solar
No primeiro Tema desta Unidade, você vai estudar a origem do Universo e do Sistema Solar, conhecendo as diferentes teorias já criadas pela humanidade para explicar esse fenômeno.
 
A formação da Terra
São de longa data os questionamentos que envolvem a formação da Terra, e as perguntas feitas a esse respeito têm recebido, ao longo da história, respostas variadas. Desde os tempos mais remotos, o ser humano olha para o céu buscando respostas para como se deu a origem da Terra, do Universo, da existência humana e das coisas em geral. Em diferentes culturas, fenômenos naturais como o nascimento e o pôr do sol e o movimento da Lua e das estrelas no céu levaram o homem a relacionar esses fenômenos à origem de tudo e da nossa própria existência.
Na Grécia antiga, o filósofo Leucipo de Mileto (480-420 a.C.) acreditava que a matéria que forma todas as coisas era constituída por unidades que não podiam ser divididas, os átomos. Com o passar do tempo, a ideia desse estudioso se tornou a base da explicação adotada pela humanidade para a constituição da matéria. Essa ideia tem muita relação com a explicação para a origem da vida e do Universo.
Mas foi apenas por volta do século XVI que as explicações sobre o Universo caminharam na direção do que hoje é chamado conhecimento científico.
 
Big Bang ou a grande explosão
Após observarem o céu por muito tempo, diversos povos notaram que poucas mudanças ocorriam nele. Com exceção dos eclipses e do movimento dos planetas, tudo parecia bem regular.
Apenas no final dos anos 1920, ao conseguir medir a distância entre as galáxias, o astrônomo estadunidense Edwin Hubble (1889-1953) verificou que elas se afastavam umas das outras e também da Terra. Ele observou ainda que, quanto mais longe estavam da Terra, mais rápido elas pareciam se movimentar.
Hubble percebeu que, assim como a sirene de uma ambulância muda sua frequência de acordo com seu movimento, tornando seu som mais grave ou mais agudo, a luz também alterava sua frequência, tornando-se mais avermelhada quando estava se afastando ou mais azulada quando estava se aproximando da Terra. A partir disso, como a maioria das estrelas e galáxias observadas apresentava cores mais avermelhadas, Hubble concluiu que elas estavam se afastando da Terra e entre si.
Como as galáxias estavam se afastando, o físico russo George Gamow (1904-1968) imaginou que no passado elas pudessem estar juntas e propôs uma teoria que ficou conhecida como Big Bang (expressão que tem origem na língua inglesa e que significa “grande explosão”). De acordo com essa teoria, o Universo teria se originado de um ponto muito quente e extremamente denso que continha toda a matéria e a energia que você observa no Universo hoje. Esse ponto, chamado singularidade, teria explodido. Com a explosão, a energia foi se espalhando, e o Universo esfriando, o que deu origem à matéria, aos átomos e aos elementos químicos mais simples conhecidos, principalmente o hidrogênio e o hélio. Esses elementos, devido à gravidade, começaram a interagir, puxando um ao outro, o que acabou por formar as estrelas e as galáxias que podem ser observadas atualmente.
Essa explosão foi muito forte e, ainda hoje, o Universo está em expansão. Portanto, as galáxias continuam se afastando umas das outras.
 
Formação do Sistema Solar
No Sistema Solar, os planetas estão divididos em: terrestres (ou rochosos), que são menores, formados predominantemente por rochas e ficam mais próximos ao Sol (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte); e jovianos (ou gasosos), que são maiores, mais distantes do Sol e formados na maior parte por gases (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno). Todos eles se distribuem ao redor do Sol, aproximadamente no mesmo plano, e giram no mesmo sentido.
Mas como será que se formou o Sistema Solar? Imagine que uma nuvem de gás e poeira começou a se condensar (concentrar) pela ação da força gravitacional, que foi juntando um grão de poeira com outro, uma molécula de gás com outra. À medida que um grão de poeira colidia com outro, eles esquentavam (como acontece quando se bate palmas), e isso foi aumentando a temperatura da nuvem de gás e de poeira que deu origem ao Sol, enquanto essa nuvem condensava. Chegou um momento no qual a nuvem ficou tão quente que “acendeu”, como se pegasse fogo. Na verdade, a temperatura era tão alta que os átomos começaram a se fundir. Esse processo chama-se fusão nuclear e fornece energia para o Sol continuar brilhando até hoje.
Essa etapa marca o início de um conjunto de reações nos núcleos dos átomos (reações nucleares), que constituem a fonte de energia do Sol e das estrelas em geral. É como se no interior de cada estrela ocorressem milhares de “explosões” a cada segundo.
Após a formação do Sol, o calor que ele emitia fez o gás que sobrou se afastar, originando os planetas mais externos e gasosos do Sistema Solar. Já as partes mais sólidas da nuvem de gás e poeira, as mais densas e pesadas, ficaram mais próximas dele. Devido, ainda, à ação da gravidade, as partículas que sobraram ao redor do Sol começam a se unir em corpos maiores, formando rochas. Essas rochas, por sua vez, continuaram a se juntar, dando origem aos planetas. O restante desse material que não consegue se agrupar em planetas são os asteroides, meteoroides, satélites e cometas.
Educando Mais! Todos os direitos reservados - © 2019 Educando Mais! 
  • Facebook
  • Canal Educando Mais!
  • Instagram
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • RSS ícone social
E-mail do Educando Mais!