6 – O ar que respiramos

Neste momento, você vai avançar um pouco mais no estudo da atmosfera, pensando na composição do ar que respiramos e nas suas camadas.
• Você já ouviu falar que os jogadores de futebol ou outros atletas brasileiros precisam de uma preparação especial quando vão competir em lugares muito altos, como as cidades localizadas na Cordilheira dos Andes, como La Paz, na Bolívia?
• Em sua opinião, porque isso acontece?
• Qual é a diferença para o organismo entre fazer esforço físico ou praticar esportes na praia e nas montanhas?
 
A atmosfera
O ar que respiramos está em uma pequena camada da atmosfera, mais próxima da superfície, que chega a cerca de 20 quilômetros de altura. É na atmosfera que todas as formas de vida não aquáticas estão inseridas. Essa camada é tão fina que, se a Terra fosse do tamanho de uma bola de basquete, ela não passaria de uma leve camada de tinta em sua superfície.
 
Ar rarefeito
À medida que você se afasta da superfície terrestre, o ar vai ficando mais frio e se torna rarefeito, isto é, menos carregado, menos denso. Sendo assim, a pressão atmosférica diminui. É por isso que os jogadores de futebol têm dificuldade em respirar em locais de maior altitude, como em cidades da Bolívia ou do Peru. Nesses locais há menos ar do que no litoral e, consequentemente, também menos gás oxigênio, em um mesmo volume do espaço. Essas condições provocam cansaço, fadiga e tontura, especialmente em situações de esforço físico, e variam de pessoa para pessoa.
Pessoas que vivem há muito tempo em lugares altos, superiores a 2,5 quilômetros em relação ao nível do mar, têm maior capacidade de distribuir gás oxigênio pelo corpo. O organismo humano é capaz de aumentar essa capacidade, compensando o baixo teor desse gás. Porém, não se trata de um processo que ocorre instantaneamente, razão pela qual jogadores de futebol estrangeiros, quando precisam jogar em cidades como La Paz, viajam dias antes do jogo para se adaptarem às condições locais.
 
ORIENTAÇÃO DE ESTUDO
Muitas vezes, quando estamos lendo um jornal, uma revista, um livro, uma notícia na internet ou mesmo quando assistimos à televisão, é comum encontrarmos gráficos. Os gráficos ajudam a apresentar informações que envolvem dados numéricos de outra forma, facilitando sua visualização e interpretação.
Os gráficos sempre têm um título, em geral curto, que apresenta o tema do gráfico. Alguns também podem conter subtítulos.
Outro elemento importante que precisa aparecer em todo gráfico é a fonte. A fonte indica qual é o instituto ou órgão que produziu o gráfico; assim é possível saber se a informação contida no gráfico é segura, ou seja, se você pode confiar nessa informação.
Dessa forma, sempre que você for ler e interpretar um gráfico, fique atento a esses elementos que compõem um gráfico: título, subtítulos (se houver) e fonte.
Existem vários tipos de gráficos, mas o gráfico apresentado no item 2 da atividade a seguir é um gráfico de linha. Observe-o, procurando analisar seu título e sua fonte. Depois repare que nesse gráfico há duas setas, uma na horizontal, que indica a pressão atmosférica, e outra na vertical, que indica a altitude.
Uma dica para ajudá-lo a fazer essa atividade de leitura de gráficos ou outras semelhantes é utilizar uma régua transparente.
Camadas da atmosfera
A atmosfera é composta de cinco camadas. A troposfera é a camada em que vivemos. Conheça as demais lendo o quadro a seguir
Educando Mais! Todos os direitos reservados - © 2019 Educando Mais! 
  • Facebook
  • Canal Educando Mais!
  • Instagram
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • RSS ícone social
E-mail do Educando Mais!
WhatsApp do Educando Mais!