16 - Perspectivas do espaço agrário brasileiro

A organização do espaço agrário brasileiro pode ser relacionada com a industrialização do país e as mudanças ocorridas na relação entre o campo e a cidade. A mobilidade espacial da população pode ser associada às mudanças da rede urbana e às interações entre as áreas de maior dinamismo e outras, marcadas pela estagnação econômica.
Para a abertura do tema, vamos analisar os mapas “Brasil: pecuária (bovinos),1995” e “Brasil: pecuária (bovinos), 2006”, no caderno do aluno, relacionados com a ocupação do território brasileiro pela pecuária, em 1995 e em 2006. Identificamos as transformações que ocorreram na ocupação do território brasileiro no intervalo de dez anos: ocorreu a expansão da pecuária em direção à Amazônia, particularmente com destaque para Rondônia e sul do Pará. Associado a expansão, o aumento do desmatamento da Floresta Amazônica e a diminuição do trabalho na terra.
O aumento da produtividade rural
 
O aumento da produtividade do estabelecimento rural por meio da incorporação de técnicas mais eficientes, da mecanização e do uso de insumos agrícolas é um mecanismo importante para analisar o espaço agrário brasileiro.
Um gráfico que podemos analisar é o “Brasil: evolução do pessoal ocupado e do número de tratores”, no caderno do aluno. Comparem a evolução do número de tratores e do número de pessoal ocupado nos estabelecimentos rurais do Brasil entre 1970 e 2006. Esse tipo de gráfico (gráfico de linhas) é utilizado para mostrar a mudança de uma variável com referência à outra. O dado de cada ano é localizado no cruzamento das variáveis dos eixos (ano e número de pessoas ou tratores); a linha é a junção dos pontos assinalados. Não é difícil perceber que ocorreu no Brasil um movimento inversamente proporcional entre o crescimento do número de tratores e a diminuição de pessoal ocupado nas atividades agropecuárias.
Tanto para a agricultura como para a pecuária, as transformações começaram a ocorrer na década de 1980, o que se refletiu nos dados a partir da década de 1990. Diferentemente da pecuária, que aumentou sua produtividade mesmo com perda de área de pastagem, a agricultura continua ampliando a área cultivada, além do ganho de produtividade.
Os conflitos no campo
 
A dinâmica territorial do país envolve as relações sociais entre diferentes segmentos da sociedade brasileira. Vamos ler breves relatos da vida de alguns brasileiros no caderno do aluno. Os relatos representam posições parciais de cada um dos segmentos envolvidos nessa dinâmica: um empresário do campo, um latifundiário, um trabalhador rural sem-terra, um boia-fria e um pequeno produtor e em qual área do país ele poderia viver. Uma vez feita a correspondência entre as falas e o sujeito social, escreva quem está falando.
Possíveis relações entre eles podem existir: o boia-fria se relaciona com o empresário do campo porque trabalha em sua lavoura, na colheita da cana; o empresário do campo pode acabar comprando as terras do pequeno produtor para ampliar sua área cultivada; esse pequeno produtor, sem suas terras, poderá se transformar em um boia-fria, morando na cidade e trabalhando temporariamente na colheita agrícola. Várias outras possibilidades poderiam ser imaginadas.
Nessas relações, a resistência de algum(uns) dos sujeitos sociais ao relacionamento proposto pode existir. Por exemplo, se o pequeno produtor rural não tivesse interesse em vender suas terras ou o latifundiário impedisse a ocupação de sua fazenda pelos trabalhadores rurais sem-terra, o que aconteceria? A diversidade de interesses dos trabalhadores que vivem das atividades rurais é um dos motivos para a origem dos conflitos no campo brasileiro.
Educando Mais! Todos os direitos reservados - © 2019 Educando Mais! 
  • Facebook
  • Canal Educando Mais!
  • Instagram
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • RSS ícone social
E-mail do Educando Mais!
WhatsApp do Educando Mais!