7 - Outras formas de Regionalização

Regiões geoeconômicas
​Além da regionalização proposta pelo IBGE, o Brasil utiliza outro modelo de divisão regional, conhecido como complexos regionais ou regiões geoeconômicas. Os complexos regionais utilizam como critério de regionalização as características históricas e econômicas do Brasil. As regiões geoeconômicas dividem o Brasil em três grandes porções territoriais, denominadas Nordeste, Centro-Sul e Amazônica. Essa divisão foi proposta e elaborada pelo geógrafo Pedro Pinchas Geiger em 1967, na tentativa de sanar problemas socioeconômicos de nosso país. Primeiramente, o Nordeste surgiu nessa classificação como a região de ocupação mais antiga, cujos traços permanecem até hoje: cultivo da cana-de-açúcar na Zona da Mata, mão de obra supera explorada, forte presença de afro-brasileiros, e herança do trabalho africano escravizado. A seguir, o Centro-Sul apareceu como a porção do país cuja ocupação se deu na sequência, a partir do fim da escravidão (o Rio de Janeiro é exceção), da vinda de imigrantes e da industrialização. A Amazônia surgiu nessa classificação como a imensa região tardiamente colonizada, porém sujeita aos desmatamentos, conflitos pela posse da terra e problemas ambientais em geral.
Diferentemente da organização do IBGE, essa forma de regionalização não considera como limites as delimitações político-administrativas entre os estados, baseando-se exclusivamente em critérios geoeconômicos.
Uma “terceira via” de regionalização do território brasileiro é “Os quatro brasis”, do professor Milton Santos. O fragmento de artigo a seguir discorre sobre a ideia miltoniana de regionalização do Brasil.
Repensando a regionalização brasileira a partir da teoria do meio técnico-científico-informacional
A região é uma das categorias de análise geográfica polissêmica e controvérsia que permite discussões relevantes acerca do processo de regionalização do Brasil. A partir do estudo referente da questão regional brasileira e partindo de uma retrospectiva que apontou as principais propostas existentes para um país de dimensão continental, a análise parte da proposta oficial do IBGE, que está em vigor até os dias atuais, e da Geoeconômica que leva em consideração fatores socioeconômicos e históricos e a divisão regional “Os Quatro Brasis” alicerçada na teoria do meio técnico-científico-informacional que consiste na união entre a técnica, a informação e a ciência, seguindo a lógica do mercado global. Nesta perspectiva, o objetivo almejado neste artigo se refere às abordagens necessárias para o entendimento da ideia de uma nova regionalização do território brasileiro que corresponda à nova configuração do espaço, a partir das ideias miltonianas, por considerar a territorialização e a evolução tecnocientífica, passível de induzir novas regionalizações frente ao contexto sócio-espacial do Brasil.
Educando Mais! Todos os direitos reservados - © 2019 Educando Mais! 
  • Facebook
  • Canal Educando Mais!
  • Instagram
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • Rádio Educando Mais
  • RSS ícone social
E-mail do Educando Mais!
WhatsApp do Educando Mais!